Clique aqui para conhecer um pouco mais sobre a
proposta de trabalho do estúdio Tirititrán.

quinta-feira, 26 de junho de 2008

TaRaNTo


Ese muchacho
Son las tres de la mañana
¿Dónde estará ese muchacho?
Si estará bebiendo vino,
Y andará por ahí borracho.


Não há um consenso acerca do surgimento deste palo, apesar de sempre ter sido considerado uma derivação da Taranta "metida" à compás de zambra, para ser bailado. Segue o mesmo tom da Taranta e da Cartagenera. No entanto, é bom ressaltar que, dos cantes mineros, O Taranto é o único sujeito a certo compás.

Há quem acredite que, pelo seu carácter de música para baile, o Taranto pode ser alinhado com o flamenco primitivo que, em suas origens sempre esteve associado à dança (ainda que bastante rudimentar, tendo em vista o baile como conhecemos atualmente). No entanto, a maioria das correntes parece concordar que a origem deste cante, assim como a Taranta, está num fandango folclórico, característico de Almería.

Quando o agricultor almeriense deixava suas terras por causa dos tempos de seca e era obrigado a trabalhar nas minas, levava consigo um fandango alegre que a vida mineira acabava transformando em algo mais triste. A crise fez com que milhares de mineiros almerienses, granadinos e malagueños emigrarassem para as jazidas minerais de Linares, La Carolina, Cartagena e La Unión, levando consigo esse canto incipiente, sem muita elaboração.

Posteriormente este cante sofreu influência dos músicos que se inspiraram nestes aires populares, o que, definitivamente, garantiu mais corpo ao Taranto.

O Taranto está consolidado dentro do fascinante e maravilhoso universo do flamenco e, em particular, do baile. A criação do baile por Tarantos é atribuída à Carmen Amaya (por volta dos anos 40). Atualmente é um palo incluído na maioria dos repertórios de baile das figuras flamencas de maior destaque.

Estilo de compasso binário, o Taranto apresenta, ainda, uma peculiaridade: o remate característico do ayeo de introdução e o remate que se apresenta em cada copla.

Glossário:
  1. Palo: Nome que recebe cada estilo de cante.
  2. Taranta: Cante flamenco de execução livre que faz parte do grupo dos Cantes de Levante ou de Las Minas.
  3. À compás: Dizemos que o cante ou o baile está a compás quando a interpretação segue fielmente o ritmo ou cadência do estilo correspondente.
  4. Zambra: Festa mourisca com música e algazarra. Posteriormente, festa dos gitanos andaluzes. Ainda hoje se cultiva a Zambra Granadina, nas Cuevas Del Sacromonte, formada por três bailes de Caracter Mínimo: la Alboreá, la Cachucha, e la Mosca, que simbolizam três momentos da boda gitana. Esta mímica, refletida na dança, pretende preservar uma antiga tradição do baile.
  5. Cartagenera: Cante flamenco do grupo dos Cantes de Levante, de execução livre.
  6. Compás: Medida de uma frase musical com sua acentuação correspondente.
  7. Cantes Mineros: São compostos por cantes de Almería (fandangos, taranta e taranto) e Jaén (taranta).
  8. Baile: É a dança propriamente dita. Apresenta um caráter vivo e encontra-se em constante evolução, mas suas características básicas cristalizaram-se entre 1869 e 1929, a chamada idade do ouro do flamenco.
  9. Fandango: Cante flamenco procedente do folclore, com muitas formas e variações em toda Andaluzia.
  10. Almería: Cidade costeira e portuária espanhola. Capital da provícina de mesmo nome, localizada na Andalucía, entre Granada e Múrcia.
  11. Cante: Conjunto de composições musicais em diferentes estilos que surgiram entre o último terço do séc. XVIII e a primeira metade do séc.XIX, devido a justaposição de modos musicais e foclóricos existentes na Andaluzia.
  12. Aire: Termo que descreve a expressividade, a atmosfera ou caráter geral de uma performance flamenca.
  13. Carmen Amaya: O site "Es Flamenco" a descreve como uma bailaora de raça. A rua, a família e seu sangue gitano foram os únicos maestros de seu baile, que revolucionou a dança flamenca que se fazia até então. Carmen demonstrava com sua forma de bailar que o flamenco é sentimento, alma e paixão. Seu baile parecia brotar de raiva e violência contidas, elementos que faziam com que seu baile adquirisse velocidade e força assombrosas. Parecia, freqüentemente, desafiar as leis da gravidade.
  14. Ayeo: Parte introdutória ao cante que serve para o cantaor localizar-se na tonalidade em execução e para aquecer e preparar a garganta para o cante. Este termo deriva da exclamação "ay!" que é um lamento prolongado sem palavras feito pelo cantaor que garante um caráter trático e dramático ao cante.
  15. Copla: Forma poética tradicional do cante flamenco. (1) Canção popular. (2) Estrofe geralmente de quatro versos octossílabos com rima assonante nos pares.
Referências de Vídeo:


Concha Jareño, Taranto


Taranto


Camarón e Ramón de Algeciras, Taranto

Nenhum comentário: