Clique aqui para conhecer um pouco mais sobre a
proposta de trabalho do estúdio Tirititrán.

quinta-feira, 19 de março de 2009

SeRRaNaS

Ay, y quien viviera
en la sierra cordobesa

Etimologia da palavra:

Termo para caracterizar tudo o que pertence às serras ou a seus habitantes.

Todo bom aficionado ao flamenco ou apaixonado pela poesia popular conhece a qualidade poética e musicológica deste cante ímpar que carrega o odor almiscarado dos montes em cujas letras se desenrola todo o sentimento da Andalucia campesina e lavradora.

Embora haja correntes que acreditem que a Serrana seria uma variação de uma canção popular andaluza, possivelmente carente de compás, que se aflamencou em meados do século XIX (nas proximidades de Ronda), a opinião mais comum é que a Serrana é um cante flamenco que está integrado dentro do grupo dos cantes básicos. Vinculado à Caña, marca estreitos laços com a Siguiriya e carrega aires de Livianas e Peteneras.

Quando surgiu como cante flamenco a Serrana foi tida como inovadora e acabou tornando-se bastante popular. Traz como temas aspectos animais e humanos (cordeiros, ovelhas, pastores e bandoleiros) e, também, tudo aquilo que faz parte da natureza agreste das serras.

A prática codidiana do cante jondo atual parece afastar-se das raízes da Serrana. Dificilmente os intérpretes de hoje executam este cante. Parecem fugir de suas dificuldades, de suas esquinas angustiosas ou, quem sabe, de suas letras enfadonhas para o gosto presente. Apesar disso, quando bem executado, trata-se de um cante valente de muito brilho, extraordinariamente melodioso com frases largas e solenes que exige poderosas faculdades de interpretação. A guitarra acompanha o cante com toque de siguiriya.

Árvore Expositiva dos Estilos mais Interpretados
(clique na imagem para ampliá-la)

Glossário:
  1. Cante: Conjunto de composições musicais em diferentes estilos que surgiram entre o último terço do séc. XVIII e a primeira metade do séc.XIX, devido a justaposição de modos musicais e foclóricos existentes na Andaluzia.
  2. Compás: Medida de uma frase musical com sua acentuação correspondente.
  3. Cantes Básicos: Integram o esquema dos cantes básicos e seus derivados a Toná, a Carcelera, a Debla, o Martinete, a Saeta, a Siguiriya, as Soleares, os Tangos, os Tanguillos, os Tientos, o Polo, a Caña, a Liviana, a Serrana, o Romance, as Cantiñas, o Alboreá, as Peteneras e as Bulerias.
  4. Caña: Cante flamenco muito antigo.
  5. Siguiriya: Cante flamenco, trágico e triste, que a princípios levava o nome de Playera.
  6. Aire: Termo que descreve a expressividade, a atmosfera ou caráter geral de uma performance flamenca.
  7. Liviana: Cante flamenco do grupo das siguiriyas.
  8. Petenera: Cante flamenco, provavelmente oriundo de Paterna de La Rivera (Cádiz).
  9. Cante Jondo: Expressão subjetiva que denomina os cantes mais solenes, primitivos, profundos e com força expressiva. Sinônimo de cante puro.

Referências de Vídeo


Carmen la Talegona, Esencias de Mujer (Serranas)


Juan Chozas, Concurso de Arte Flamenco de Córdoba


Maria Elena la Cordovesa e Paco Fonta

Nenhum comentário: